Mwene-kongo: A Mulher da Meia-noite

9 Mar - 17 Mar
{ Info } { Bilhetes } #acolhimento

Programa

9 Mar - 17 Mar
21:00 / 16:30
21:00 / 16:30 Mwene-kongo: A Mulher da Meia-noite
Mwene-kongo: A Mulher da Meia-noite
#acolhimento #teatro
A mulher da meia-noite ou Mwene-kongo, é uma expiação da dor do luto, é sobre apesar da consciência de que esse é o inevitável destino de todo ser humano, a negação continua a ser a nossa primeira reação quando tal acontece.
Camões: quem foi o homem e onde começa a sua lenda? O que é que o tornou nesta figura quase mítica e gigante que vive no imaginário de todos nós?! Como podemos imaginar a sua vida, o seu percurso, do qual sabemos tão pouco, aproximando-o do homem comum, apaixonado e aventureiro?
Um dramaturgo conta uma história, o somatório de acontecimentos e não acontecimentos. Confiante na peça que escreveu, leva-a a cena. As personagens em palco personificam as relações de quatro pessoas que sustentam relacionamentos sem fé, infiéis que assumem a mentira e são verdade em estado puro.
Desde a primeira metade do século XVI, que se acreditava piamente no regresso do Encoberto, que viria cumprir esse desígnio glorioso que Deus outorgara a Portugal. Uma crença coletiva, inicialmente sebastianista, que tendo como base as "Trovas" de Gonçalo Annes Bandarra permaneceu no imaginário coletivo ressurgindo em Fernando Pessoa na "Mensagem", e em Agostinho da Silva, de um sentir português muito próprio, capaz de abrir novos mundos ao mundo. Se há uma “alma” portuguesa, identitária é no diálogo entre estes autores que a podemos reencontrar.
A segunda edição do Festival Solos Ibéricos decorre de 22 de outubro a 20 de novembro e conta com dois espetáculos espanhóis e três espetáculos portugueses. Por ordem cronológica, serão apresentados: “Stand Down”, de Ángel Fragua [PT], “Mecha Show You”, da Cia. Jimena Cavalletti [ES], “Os qu’emigraRAM”, da OITO (Oficina de Ideias das Terras do Oeste – Associação Cultural) [PT], “Samotracias”, da Mákina de Cena [PT] e “Trilla”, da companhia La Phármaco [ES].
Partindo de dois contos de Félix Albo, “Secretos de Familia” e “Un Roble en um Cementerio”, Ángel mostra-nos neste “Stand Down” porque razão morrer de amor pode ser só o início de uma estória. “Stand Down” é um espectáculo para rir, sorrir, ficar sério e até chorar, se for o caso. Um espetáculo a solo, sem grandes recursos cénicos, onde a palavra assume especial importância e onde as experiências pessoais do ator se cruzam com as experiências de uma outra pessoa que não está em palco.
“Mecha Show You”, com total humor e máxima tolice, fala sobre o sucesso e o fracasso, sobre o peso que a aprovação constante tem nas nossas vidas. Como se ter sucesso fosse a única condição que podemos partilhar com os outros. Contudo, tanta pressão pode acender o rastilho e fazer Mecha explodir!
O que é que define a tua casa? Partindo de uma recolha de testemunhos junto daqueles que ficaram deixando os olhos postos no m(ar), propomos uma viagem pelo mais íntimo das veredas e caminhos desta terra fértil, tentando perceber o que dela brota, se ainda restam razões para sorrir... mesmo que no mais recôndito impasse.
“Samotracias” é o grito de três mulheres que encarnam o rosto e a voz de um coro anónimo de migrantes. Três mulheres com idades e destinos diferentes que se agarram ao seu sonho de emigrar, invocando, tanto no desespero como nas palavras, as primeiras personagens beckettianas, perdidas numa estrada inacabada e repleta de obstáculos.
“Trilla” é o resultado do encontro entre Le Parody e Luz Arcas, uma indagação entre os mundos que partilham, o folclórico e o eletrónico, e a necessidade de questionar as estruturas verticais que historicamente nos dominam.
A partir da obra de Fernando Pessoa e continuando o processo de investigação sobre os sonhos e o acesso ao inconsciente como forma e método e alargar a consciência vimos abordar mais um texto emblemático de Álvaro de Campos. A heteronímia é um artificio literário e artístico que nos revela caminhos e abre inúmeras possibilidades acerca do que somos. Acerca do encontro com os “comigos de mim mesmo”.
Apaixonei-me pela guerra mas casei com a paz. Tivemos dois filhos, a Ilusão e a Cura, um casal. Mas a guerra nunca me saiu da cabeça e do corpo. Fomos amantes ao longo da vida e a paz sempre soube. Me chamo Kindzu, o nome que se dá às palmeiras mindinhas. 
A Tradballs está crescida, a entrar na idade adulta, mas com os mesmos valores e princípios de sempre! Dia 25 fazemos a festa com workshop de dança durante a tarde, e à noite baile em dose dupla com CHRISTIAN PACHER (fr) e DANCING STRINGS (pt). Vamos celebramos a dança, a música, a amizade e os bonitos (re)encontros! Juntem-se à festa.
“O Meu Nariz é Árabe” integra um projeto mais lato em curso n’A Companhia João Garcia Miguel no qual se procura estabelecer uma relação com o nosso passado histórico. “A Arte de ser Português” é um projeto que parte do título do poeta português Teixeira de Pascoais para refletir sobre um conjunto de figuras maiores das nossas artes, letras e sociedade civil procurando, através das artes, encontrar novas formas de diálogo com o passado. Esta peça, em particular, nasce da parceria com a D’Orfeu, associação cultural com fortes ligações à música. A Companhia João Garcia Miguel trabalhou com Luís Fernandes, diretor criativo d’Orfeu AC e com Artur Fernandes, compositor membro do grupo “Danças Ocultas”, com quem, através de poesias árabes, desenvolvemos a composição das músicas para o espetáculo.
Daninho, como erva daninha, é dizimado e ressurge ciclicamente com nomes diferentes: Pina Manique, William Beresford, D. Miguel, João Franco, Pimenta de Castro, Sidónio Pais, Salazar e Marcelo Caetano. Ora meloso ora violento, tenta convencer o Povo proferindo discursos concebidos a partir de leis e discursos históricos. O Povo ouve. Alguns ajoelham-se, outros rejeitam-no, alguns veneram-no, engolem-no, abafam-no, matam-no, lambem-no. Ouvem-se Palavras de Ordem, Gritos de Protesto, Marchas Revolucionárias, Hinos à Liberdade, Canções de Intervenção e Odes Patrióticas retiradas da História da Política e da História da Música Portuguesa.
HIGHLINE nasce com a premissa de juntar música, artes plásticas e público no mesmo espaço, coexistindo harmoniosamente sem plateias, sem distâncias. Ocupamos o Teatro Ibérico, com Live Acts de Xilema Oca, com o seu projeto a solo que procura uma estética simultânea — visual e sonora, numa ligação e interpretação do público ao conjunto de histórias musicadas; Joana de Sá que explora texturas dentro da música eletrónica experimental, com a sua guitarra, sintetizador e voz; Adriana João acompanhada pelo seu violino, com um trabalho transdisciplinar e intuitivo que integra a imagem em movimento, o som, a performance, a escultura, a fotografia e a instalação. Apolinário com a sua música eletrónica ressonante e, por fim, Miguel Torga, caracterizado pelo Jornal Público como House Campestre, concilia características da dançante música house com diálogos dos filmes de Manoel de Oliveira. Nas Artes Plásticas poderão assistir a desenho ao vivo com Rita Grancho, serigrafia com Atelier SER, colagens e bordados num projeto de Sozinha em Casa, gravura pela Salomé Paiva e tie dye com Gallactica.
April Marmara é o alter-ego musical de Beatriz Diniz, uma cantora e compositora nascida e residente em Lisboa. Aliás, a cidade é parte essencial da sua música. Música essa que carrega uma quietude e, ao mesmo tempo, uma calma instabilidade.
Ocupar (verbo transitivo), por exemplo, "Duas mulheres ocupam um teatro vazio". Rejeitando o estado atual das coisas, estas mulheres recusam-se a partir e plantam-se em protesto, numa tentativa de cultivar resistências, elas trazem a selva, contra um mundo de desflorestação densa e decadência organizada, elas reivindicam maciez, desvios, surpresas, magia e encantamento.
“Hamlet joga Playstation, fechado no quarto desde a morte do pai. ” - assim começa esta tragédia. THE WILD FLOWERS é um projecto pop-experimental em torno da peça Hamlet, de William Shakespeare, onde se propõe uma desconstrução do clássico, perseguindo um cruzamento do teatro com o video. Ainda que ancorada no texto original, é uma reescrita original do clássico.
Colar sem nexo, pintar por fora das linhas, escrever palavras que não existem, cantar em línguas inventadas: o que querer mais? Temos perguntas infinitas, o mundo não para de crescer e cada dia descobrimos mais cores: pode haver melhor que isto?
Canções Concretas e Outras Histórias - Este novo passo contempla 11 temas, das quais seis canções assinadas por José Peixoto são baseadas em inédita “poesia aberta” do autor João Monge, rompendo com o processo mais habitual de “música-letra”.
Cinco irmãs. Num cruzamento entre o teatro e o cinema, acompanhamos cinco irmãs em festa a celebrar a morte da mãe. Quem disse que na morte não pode ser celebrada a vida? As perdas, o desapego é das maiores dificuldades do mundo.
Espaço da razão, emoção. Um corpo constituído de utopia, nervos, esperança, desejos. Vontade de morrer? Sumir? E para onde vamos? As pessoas estão morrendo. Como sonhar? Como acreditar na vida?
Arranjo Floral é uma conferência-performance sobre um artista nascido em Fátima, entre procissões gigantescas, arranjos de flores e lojas de recordações religiosas.
Partindo do conceito “falsos amigos”, palavras com grafia ou pronúncia parecidas, mas que possuem significados por vezes totalmente diferentes. Miguel e Guillem tentam construir uma relação de amizade semântica falsa, posicionando-se num espaço de contraste entre o que há de semelhante e o que há de diferente, entre eles e a própria realidade, criando um discurso absurdo, delirante e divertido através das palavras, dos gestos e dos objectos.
Odete e Olive compõem “Il y a une larme dans chaque note et un soupir dans chaque pli”, projeto que evoca os castrati e explora o seu universo vocal e estético. As artistas propõem-se imaginar que os castrati poderiam ser uma forma de ficção num lugar cujos contornos permanecem fluidos e que (se) transforma.
O Festival IMERSÃO é uma mostra artística, um olhar centrado no trabalho des artistas emergentes que ingressaram no projeto IMERSÃO - Laboratórios Artísticos 2023. Sob a orientação de Filipe Sambado, Marco da Silva Ferreira, ROD, Tamara Alves e Tiago Leão, proporcionamos uma experiência enriquecedora a 21 artistas por meio de residências artísticas.
“O Espírito – La Danse du Jour” é um espetáculo de comédia absurda em que o público é contagiado pelo ritmo, pela música, pelos corpos em cena, pela irrealidade das narrativas, como num sonho.
A 25 de novembro inauguramos uma conversa que se prolongará até à estreia da próxima criação de Miguel Maia, em abril de 2024 no Teatro Ibérico. Juntaremos público e equipa e com a participação especial de Miguel Castro Caldas discutiremos o que nos anda a inquietar. Entrada livre.
Mariana Guimarães apresenta o seu álbum de estreia, "Alguém me leve", uma viagem às entranhas da alma e do ser humano. Um abrir de uma gaveta que afinal é porta, seguir em frente e deixar que os sonhos nos levem pela mão. Sem limites de idade, as canções, com influências pop, música portuguesa e do mundo, dão sentido ao que parece não ter, agradecem, celebram, e despertam para a substância da vida.
Josef Van Wissem regressa a Portugal em janeiro de 2024 para a tour de apresentação do disco “The Night Dwells in the Day” com data de saída a 19 de janeiro. Portugal será então o primeiro país onde vai ser tocado este novo disco ao vivo.
Siegfried e Joy são os novos mestres da magia. Neste espetáculo de habilidade e mãos rápidas que traz um pouco de Las Vegas a Portugal.
10 Jun - 10 Jun
17:00
17:00 Somos Todos Camões
Somos Todos Camões
#teatro
25 Jun - 25 Jun
17h00
17h00 Apresentação: “Caleidoscópio – Olhar o Belo em III Actos”
Apresentação: “Caleidoscópio – Olhar o Belo em III Actos”
#Livros
28 Set - 8 Out
Numa Manhã de Nevoeiro
Numa Manhã de Nevoeiro
#teatro
22 Out - 20 Nov
II Festival
II Festival
#Festival Solos Ibéricos II
22 Out - 23 Out
Stand Down
Stand Down
#Festival Solos Ibéricos II
29 Out - 30 Out
Mecha Show You
Mecha Show You
#Festival Solos Ibéricos II
5 Nov - 6 Nov
Os qu’emigraRAM
Os qu’emigraRAM
#Festival Solos Ibéricos II
12 Nov - 13 Nov
Samotracias
Samotracias
#Festival Solos Ibéricos II
19 Nov - 20 Nov
Trilla
Trilla
#Festival Solos Ibéricos II
24 Nov - 27 Nov
Tabacaria
Tabacaria
#teatro #criação #audiodescrição
9 Dez - 18 Dez
Kindzu
Kindzu
#teatro #criação #audiodescrição
25 Fev - 25 Fev
XVIII Aniversário Tradballs
XVIII Aniversário Tradballs
#festa #acolhimento
31 Mar - 2 Abr
O meu nariz é Árabe
O meu nariz é Árabe
#teatro #acolhimento
22 Abr - 22 Abr
21:00
21:00 Uma Pátria à Procura de Portugal
Uma Pátria à Procura de Portugal
#acolhimento #concerto
29 Abr - 29 Abr
17:00-02:00
17:00-02:00 HIGHLINE
HIGHLINE
#acolhimento #concerto
6 Mai - 6 Mai
21:30
21:30 STILL LIFE – April Marmara
STILL LIFE – April Marmara
#acolhimento #concerto
19 Mai - 21 Mai
21:00 | 17h00
21:00 | 17h00 Refuse or the soft manifests
Refuse or the soft manifests
#acolhimento #teatro
2 Jun - 4 Jun
21:30 | 16:00
21:30 | 16:00 The Wild Flowers
The Wild Flowers
#teatro #acolhimento #festival
10 Jun - 10 Jun
16:30
16:30 eRrAdO
eRrAdO
#acolhimento #teatro infantojuvenil #interpretação LGP
30 Jun - 30 Jun
21:00
21:00 LST – Lisboa String Trio com Sofia Vitória
LST – Lisboa String Trio com Sofia Vitória
#concerto #acolhimento
15 Set - 17 Set
21:00 | 17:00
21:00 | 17:00 António e Antónia
António e Antónia
#teatro #acolhimento
22 Set - 22 Set
19:00
19:00 Mostra Cartografias #5 | Um Corpo Foi Achado
Mostra Cartografias #5 | Um Corpo Foi Achado
#Dança #acolhimento
23 Set - 23 Set
19:00
19:00 Mostra Cartografias #5 | Arranjo Floral
Mostra Cartografias #5 | Arranjo Floral
#Dança #acolhimento
28 Set - 28 Set
19:00
19:00 Mostra Cartografias #5 | Falsos Amigos
Mostra Cartografias #5 | Falsos Amigos
#Dança #acolhimento
13 Out - 13 Out
21:30
21:30 BoCA 2023 | Il y a une larme dans chaque note et un soupir dans chaque pli
BoCA 2023 | Il y a une larme dans chaque note et un soupir dans chaque pli
#acolhimento #Performance
20 Out - 21 Out
19:00 - 00:00
19:00 - 00:00 Festival IMERSÃO
Festival IMERSÃO
#acolhimento #festival #Performance
16 Nov - 19 Nov
21:00 | 17:00
21:00 | 17:00 O Espírito – La Danse Du Jour
O Espírito – La Danse Du Jour
#teatro #acolhimento
25 Nov - 25 Nov
16:00
16:00 Os Novos Reais – Conversa aberta ao público
Os Novos Reais – Conversa aberta ao público
#acolhimento
26 Nov - 26 Nov
18:30
18:30 Mariana Guimarães
Mariana Guimarães
#Música #acolhimento
24 Jan - 24 Jan
21:30
21:30 Jozef van Wissem – The Night Dwells in the Day
Jozef van Wissem – The Night Dwells in the Day
#concerto #acolhimento
9 Fev - 10 Fev
19:00 | 21:30
19:00 | 21:30 Siegfried & Joy – Las Vegas in Lisbon
Siegfried & Joy – Las Vegas in Lisbon
#comédia #acolhimento
{ Fechar }